São Paulo, 1 de dezembro de 2020
Home / Notícias / Até 40% dos curados da covid-19 têm sequelas e recuperação amplia desafio dos hospitais

Notícias

Até 40% dos curados da covid-19 têm sequelas e recuperação amplia desafio dos hospitais

16/11/2020

Estadao

Após quase nove meses do registro do 1.º caso de coronavírus no País, o desafio dos hospitais se multiplica. De um lado, algumas instituições privadas registram alta de infectados. Do outro, os recuperados, mas que ficaram com sequelas ou sintomas prolongados, também são foco de atenção. De 17.044 pacientes que ficaram internados nos hospitais municipais em São Paulo por covid-19, 7.136 foram acompanhados após o período de infecção – 42% do total. 

 

Os dados são da própria Secretaria Municipal da Saúde. O porcentual de 41% está próximo da projeção de pesquisa do Hospital das Clínicas sobre pacientes com sequelas ou sintomas prolongados. De 1,5 mil internados no hospital de março a abril, os especialistas projetam índice entre 30% e 40% de pacientes com sequelas.

 

Esses são alguns dos poucos dados disponíveis sobre o tema. Na Secretaria Estadual da Saúde, a descentralização da rede de assistência e a falta de filtros mais específicos no banco de dados (Datasus) dificultam rastrear esses pacientes. Infectologista da Universidade Federal do Rio (UFRJ) e especialista no tema, Rafael Galliez afirma que há poucas pesquisas nacionais sobre o assunto. A maioria está em desenvolvimento.

 

Nem o Ministério da Saúde fez essa conta. Conforme a pasta, o País registra 5.256.767 curados. “Do ponto de vista clínico, não é correto considerar um paciente recuperado apenas a partir do teste PCR negativo. A recuperação é complexa”, diz Rodrigo Stabeli, pesquisador da Fiocruz e professor de Medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). No Hospital Delphina Aziz, em Manaus, a ocupação de leitos de UTI no fim de outubro era de 96%. Das 90 vagas, 60% eram ocupadas por pacientes em recuperação das sequelas.

 

Walter Cintra, professor de Especialização em Administração Hospitalar e de Serviços e Sistemas de Saúde da Faculdade Getúlio Vargas (FGV), acha difícil um colapso do Sistema Único de Saúde (SUS) por causa da quantidade de pacientes com sequelas. Mas mostra preocupação com uma 2ª onda de infectados. “É uma situação complicada. Não superamos a 1ª onda. Nossa maior dificuldade será a 2ª onda de infecção, não os pacientes com sequelas”, opina. “As sequelas são graves, ainda em estudo, mas não devem ser volumosas a ponto de promover o colapso do sistema”, completa.

 

Stabeli acredita que a covid pode repetir as crises de zika e chikungunya. “A epidemia de zika criou uma geração de microcéfalos, que necessitam de acompanhamento cognitivo e fisioterápico no SUS. A crise causada pelo chikungunya persistente causa a artrite reumatóide que atinge os pacientes por quase dois anos”, diz. “Mesmo com vacina eficaz, provavelmente viveremos períodos sazonais de coronavírus, como acontece com a influenza”, diz.

 

Maria Daniela Bergamasco, coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hcor, explica as nomenclaturas. “Sintoma é a queixa ou manifestação do paciente. Sintomas prolongados são os que permanecem mesmo após fase aguda da doença. O termo ‘sequelas’ é usado quando ele passa por condição clínica que deixa consequências muitas vezes permanentes para a saúde”, diz.

 

Especialistas do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, que recebe pacientes que tiveram alta em outros hospitais, se deparam com várias faces do problema. A principal é a insuficiência respiratória. Paralelamente, muitos pacientes apresentam problemas de locomoção. Foi o que houve com a pediatra e infectopediatra Daniela Vinhas Bertolini, de 48 anos. Nos 39 dias em que ficou no hospital (11 na UTI), ela não teve grande comprometimento respiratória. A principal complicação foi a síndrome de Guillain-Barré, doença na qual os anticorpos atacam os vírus, mas também células nervosas. “Me sentia como se tivesse caído em um tanque de areia movediça.”

 

Por causa da complicação, teve de emendar uma internação na outra. Após ter alta da covid em 7 de outubro, iniciou o processo de reabilitação dez dias depois no instituto. Ficou só dez dias com as filhas, Giovanna, de 17 anos, e Luana, de 14, e o marido, João, de 55 anos. Hoje, continua internada na quarta semana de reabilitação. Os médicos apontam evolução de 60%. “Sentia muita fraqueza nos braços e nas pernas. Não tinha estabilidade nem equilíbrio para ficar em pé. Ainda tenho longo caminho de fortalecimento, mas estou bem melhor.”

 

Quanto mais cedo os pacientes iniciam a reabilitação, melhores serão a resposta e a recuperação funcional, explica o fisiatra Fernando de Quadros Ribeiro. “O programa de reabilitação precoce tem feito toda a diferença. Recebemos pacientes após quatro ou seis meses após a alta da covid que não receberam tratamento reabilitacional e que continuam com falta de ar, fraqueza e dor”, diz o especialista do Instituto Lucy Montoro. “Essas queixas podem se tornar crônicas e impedir que o paciente retome plenamente o estilo de vida que possuía.”

 

Para ele, algumas incapacidades podem ser comparadas ao quadro de outras doenças. “A falta de ar sentida por alguns pode ser comparada às doenças crônicas de pulmão. A falta de iniciativa se refere a casos severos de depressão. Alguns podem apresentar complicações mais dramáticas, como o AVC.”

 

Dos dez leitos do instituto, dois estavam ocupados por pacientes que se recuperam da covid no dia da visita do Estadão, na terça-feira; outros três tiveram alta semana passada. Desde maio, 40 pacientes já se beneficiaram do programa.

 

Um dos pacientes que tiveram alta foi o ex-coletor de lixo Antonio Pissirili, de 73 anos. Após 23 dias internado para se curar da covid e mais 35 para reabilitação, ele se diz 80% recuperado. As caminhadas, porém, ficaram mais curtas. “Se ando 500 metros, tenho de parar.” Ele ainda sente formigamento nas pernas e toma medicamento com frequência para dores nas costas. Ele teve a mesma síndrome da paciente Daniela Vinhas. Também há cicatrizes emocionais. A mulher, Natalia, diarista de 57 anos, conta que o marido está mais nervoso e agitado do que antes da doença e precisa tomar antidepressivo. O marido, diz ela, fica tem medo de se infectar novamente. 

 

Projeto multidisciplinar do HC monitora 1,5 mil pacientes

 

Referência no tratamento contra a covid-19 depois de ter destinado cerca de 900 leitos do prédio do Instituto Central para tratamento da doença, o Hospital das Clínicas criou o projeto pós-covid 19. Onze áreas do maior hospital da América Latina trabalham em conjunto para acompanhar o estado de saúde de cerca de 1,5 mil pacientes que ficaram hospitalizados no início do ano.

 

O objetivo é identificar e tratar sequelas da covid-19. Os especialistas projetam que entre 30% a 40% dos pacientes demonstrem algum tipo de alteração relacionada à doença causada pelo novo coronavírus, segundo Carlos Carvalho, diretor da Divisão de Pneumologia e um dos líderes de pesquisa. “No próximo levantamento, que deverá ser feito quando os pacientes completarem um ano de internação, esse número deve cair”, afirma.

 

Na prática, o estudo começa com uma consulta por telemedicina. A base são as informações dos pacientes que já ficaram armazenadas no banco de dados da internação. Na manhã de quarta-feira, o Estado acompanhou a conversa da enfermeira Mariana Raquel Gonçalves com a diarista Fátima Maria José Saraiva por 45 minutos.

 

A paciente ficou internada por dez dias no fim de abril, cinco deles na UTI. Aos 57 anos, Fátima não chegou a ser entubada, mas não saiu da máscara de oxigênio. Ainda hoje, mais de seis meses após a alta, confessa que se sente bem cansada. “Fico exausta com os serviços diários e também se andar muito.”

 

A conversa por vídeo é importante para preparar a próxima etapa da pesquisa: a consulta presencial. Para isso, o centro dispõe de aparelhos que ajudam a entender os efeitos prolongados do coronavírus no organismo. Na ponta do dedo, um aparelho israelense chamado Cnoga registra 14 indicadores dos sinais vitais do paciente em dois minutos.

 

Quando o paciente perde o fôlego durante o teste ergométrico, o sistema identifica até a razão da interrupção do exercício. Pode ser o coração, a oxigenação do pulmão ou falta de força muscular. Neurologistas, fisiatras e psiquiatras também fazem parte do atendimento multidisciplinar. O circuito de cada paciente dura em média quatro horas.

 

Até o momento cerca de 100 pacientes passaram pelas avaliações. Alterações mais graves são enviadas para ambulatórios específicos no HC. “Esse estudo é único em função do acompanhamento sequencial e multidisciplinar”, diz Carvalho.

 

O estudo deve ser estendido em breve para a rede pública estadual. Trabalhos em andamento com a Secretaria da Saúde planejam a adoção do serviço de telemedicina para acompanhamento dos pacientes com sequelas da covid em Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), utilizando os mesmos protocolos do HC.



Fonte: O Estado de S. Paulo | Portal da Enfermagem

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado, seja o primeiro. Participe!