São Paulo, 21 de outubro de 2020
Home / Notícias / Minissérie Sob Pressão, da Globo, é criticada por menosprezar enfermeiros

Notícias

Minissérie Sob Pressão, da Globo, é criticada por menosprezar enfermeiros

14/10/2020

Globo

O Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) divulgou uma carta aberta na qual critica a minissérie Sob pressão, da Globo, por menosprezar enfermeiros. Na publicação, a organização manifesta "desapontamento" com a maneira como os profissionais de saúde estão sendo representados.

 

"Ao centralizar todo o protagonismo da assistência na figura dos médicos, a emissora transmite uma imagem equivocada sobre a dinâmica das equipes de atendimento, menosprezando profissionais elementares no cuidado prestado à população", diz a nota. O Viver tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa da emissora, mas não obteve retorno. 

 

O Coren-SP evidencia as longas jornadas de trabalho e baixos salários dos enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem e obstetrizes, problema agravado pela falta de reconhecimento e valorização. De acordo com o comunicado, "a série da Rede Globo reforça essa tendência, ao não revelar a importância de seus profissionais no dia a dia de uma instituição". "Uma emissora de TV do porte da Rede Globo, ao abordar o cotidiano de uma instituição de saúde e dos profissionais que nela atuam a partir de uma ótica equivocada, promove a desinformação e reforça estereótipos que devem ser desmistificados".

 

O texto cita ainda uma pesquisa realizada em parceria com o Cremesp que revelou que 70% dos profissionais de saúde já disseram terem sofrido agressões em ambiente de trabalho. E acrescenta: "O Coren-SP não mede esforços para transformar essa realidade, incentivando o empoderamento da categoria e a conscientização da sociedade sobre a importância do profissional de enfermagem na assistência em saúde. Porém, a mídia tem uma grande responsabilidade nesse contexto e deve cumprir devidamente o seu papel de informar a sociedade seguindo os preceitos da veracidade e objetividade".

 

Por fim, a publicação pede que os produtores de Sob pressão "reavaliem a ótica adotada na formulação da trama, retratando fielmente o papel e a importância de cada profissional nas equipes de saúde e atribuindo à enfermagem a devida valorização e reconhecimento".

 

A minissérie, realizada em parceria com a Conspiração Filmes, é protagonizada por Evandro (Júlio Andrade), cirurgião chefe da equipe de médicos de um hospital público no subúrbio do Rio de Janeiro, e Carolina (Marjorie Estiano), uma cirurgiã vascular católica que adota a fé para enfrentar a rotina atribulada.

 

O drama de Luiz Noronha, Cláudio Torres e Renato Fagundes estreou no dia 25 de julho na TV aberta e narra justamente os percalços dos médicos em meio a casos complexos e conflitos internos. Sob pressão ainda tem no elenco Bruno Garcia, Stepan Nercessian,Tatsu Carvalho, Orã Figueiredo, Letícia Isnard, Renata Gaspar e Pablo Sanábio.

 

Leia a a carta aberta na íntegra:


Devemos destacar a atuação da enfermagem, que constitui uma grande força na luta diária para o atendimento digno à população.


O Coren-SP vem, por meio desta Carta Aberta, manifestar seu desapontamento em relação à abordagem que a série Sob pressão, da Rede Globo, faz do cotidiano dos profissionais que atuam na rede pública de saúde. Ao centralizar todo o protagonismo da assistência na figura dos médicos, a emissora transmite uma imagem equivocada sobre a dinâmica das equipes de atendimento, menosprezando profissionais elementares no cuidado prestado à população. 


Ressaltamos a grande importância da classe médica e seus esforços para otimizar os recursos do SUS, porém não podemos deixar de destacar a atuação dos profissionais de enfermagem, que constituem uma grande força na luta diária para a garantia de atendimento digno à população. Enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem e obstetrizes protagonizam a assistência em todas as suas etapas: desde o acolhimento do paciente e sua família, até procedimentos mais complexos, como o atendimento de urgência, emergência e pré-hospitalar.  


A enfermagem está 24 horas por dia ao lado do paciente, ouvindo suas angústias e dores, esforçando-se para atender prontamente o soar da campainha nas longas madrugadas e se dedicando ao cuidado científico, para oferecer uma assistência segura aos usuários do SUS. 


A categoria enfrenta uma dura realidade de desvalorização e de falta de reconhecimento e a série da Rede Globo reforça essa tendência, ao não revelar a importância de seus profissionais no dia a dia de uma instituição.  São exaustivas jornadas de trabalho e baixos salários, pois não há jornada e pisos regulamentados; subdimensionamento de profissionais em relação à demanda de pacientes e atendimento; falta de insumos, estrutura e de condições dignas de trabalho e também uma epidemia de violência. Pesquisa realizada pelo Coren-SP, em parceria com o Cremesp, revelou que mais de 70% da categoria já sofreu algum tipo de agressão no ambiente de trabalho. 


O Coren-SP não mede esforços para transformar essa realidade, incentivando o empoderamento da categoria e a conscientização da sociedade sobre a importância do profissional de enfermagem na assistência em saúde. Porém, a mídia tem uma grande responsabilidade nesse contexto e deve cumprir devidamente o seu papel de informar a sociedade seguindo os preceitos da veracidade e objetividade. Uma emissora de TV do porte da Rede Globo, ao abordar o cotidiano de uma instituição de saúde e dos profissionais que nela atuam a partir de uma ótica equivocada, promove a desinformação e reforça estereótipos que devem ser desmistificados.
 

Esperamos que a emissora e os produtores da série Sob pressão reavaliem a ótica adotada na formulação da trama, retratando fielmente o papel e a importância de cada profissional nas equipes de saúde e atribuindo à enfermagem a devida valorização e reconhecimento. 


Fonte: Diário de Pernambuco | Portal da Enfermagem

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado, seja o primeiro. Participe!