São Paulo, 25 de abril de 2019
Home / Notícias / Não existem alimentos que comprovadamente previnem ou curam o câncer

Notícias

Não existem alimentos que comprovadamente previnem ou curam o câncer

12/03/2019

Gengibre

Uma das coisas que mais me tiram do sério são as notícias de saúde que dão falsas esperanças às pessoas. As que tratam sobre supostas dietas anticâncer são um exemplo.

 

Até o momento, as melhores evidências científicas mostram que os únicos fatores que podem ter algum impacto na prevenção de tumores são aqueles nossos velhos conhecidos: manter o peso na faixa saudável, evitar alimentos ricos em gorduras e açúcares, preferindo vegetais, frutas, verduras e cereais integrais, não fumar, não beber em excesso, e praticar atividade física. 

 

Mas é óbvio que nem seguindo à risca essas recomendações há alguma garantia. A literatura médica mostra que até dois terços dos casos de câncer têm origem em mutações ao acaso durante divisões celulares, ou seja, uma "má sorte". O outro terço seria atribuído a predisposição genética e fatores ambientais.

 

No entanto, inúmeros livros, estudos e reportagens feitas a partir desses trabalhos sugerem que determinados alimentos teriam propriedades capazes de prevenir e até de curar o câncer. Infelizmente, a grande maioria das informações divulgadas sobre essa relação é mito.

 

O que se tem de comprovação científica, com base na medicina baseada em evidência, ainda é muito pouco. Nutrientes e vitaminas que já foram considerados fatores preventivos, como o betacaroteno (cenoura, laranja, abóbora entre outros), tiveram sua eficácia descartada posteriormente por estudos mais aprofundados. 

 

Da mesma forma, vitaminas A, C e E (tomate, folhas verdes escuras, nozes) ou a suplementação com cálcio (leite e derivados, espinafre e derivados) também não conseguiram demonstrar efeitos preventivos para determinados tumores como se acreditava antes. Estudos com as chamadas "gorduras do bem" (ácidos graxos, ômega-3), encontradas no salmão, azeite e nozes, tampouco demonstraram eficácia na prevenção do câncer e de doenças cardiovasculares.

 

A bola da vez é o alho. Algumas pesquisas têm sugerido que o consumo desse alimento pode ajudar a reduzir o risco de alguns tipos de câncer, como o gastrointestinal. Porém, ainda faltam estudos controlados e randomizados, os únicos capazes de estabelecer a relação de causa e efeito.

 

Consultei o cardiologista Luis Correa, professor na Escola Bahiana de Medicina e um dos experts no país em medicina baseada em evidência, sobre a relação do alho na prevenção do câncer e, resumidamente, o que ele diz é o seguinte:

 

"Associação não é causalidade. Boa parte desses trabalhos mostra falsas associações, mediadas por pequeno tamanho amostral (a vasta maioria dos trabalhos publicados são "pequenos”, predispondo a achados resultantes do acaso, isso é, uma falsa associação).

 

Precisaríamos de ensaios clínicos randomizados, de cápsulas de alho versus placebo, para dar uma resposta. E de grande tamanho amostral. Temos trabalhos publicados demonstrando tudo que quisermos. Das coisas mais fantasiosas e esdrúxulas, ou seja, quem defende fantasias tem trabalhos para lhes respaldar.

 

A veracidade de um estudo também depende da qualidade da ideia. Um estudo de boa qualidade que demonstra uma ideia pouco provável terá menor valor preditivo do que se a ideia fosse provável. Alho previne tanta doença assim? Por quais mecanismos? É bom demais para ser verdade, portanto, mesmo se o estudo fosse bom, seu valor preditivo seria pequeno. Nesse caso, para comprovar uma ideia esdrúxula são necessários muitos estudos bons (reprodutibilidade).

 

Essa discussão da qualidade da ideia fica ainda mais interessante quando avaliamos os bons estudos sobre alimentos prevenindo doenças. Quase sempre são estudos negativos e, quando positivos, o impacto é mínimo, quase desprezível. Os menores “tamanhos de efeito” vêm de estudos de nutrição.

 

Não podemos confundir alimentação ruim com alimentação “boa”. Alimentação ruim, digamos 4.000 calorias por dia, obviamente faz muito mal à saúde. Isso não quer dizer que alimentação com dicas específicas seja muito boa para a saúde.

 

Mas por que toda hora surgem notícias de alimentos prevenindo câncer? A questão é que a gente não aceita a imprevisibilidade cruel do câncer. Salvo alguns que têm fundo genético e poucos os que têm algo ambiental, na maioria das vezes o único preditor de câncer é a idade. Ou seja, o câncer (diferentemente das doenças cardiovasculares) não tem muitos preditores, nem fatores de risco modificáveis.

 

Temos que nos render a essa volatilidade, que fica mais provável na medida em que (ainda bem) estamos vivendo muito. Como a gente não consegue aceitar que não temos como prevenir, inventamos uma série de fantasias alimentícias como ilusão de que estaríamos nos prevenindo."

 

Ano passado, acompanhei uma ótima discussão sobre esse assunto envolvendo a BC Cancer Foundation, o braço da angariação de fundos da agência de câncer da Columbia Britânica (EUA), que pesquisa o efeito da dieta no câncer. Um dos pesquisadores da agência, Gerry Krystal, assinou um texto em que afirmava que "podemos reduzir em 90% as chances de câncer alterando nossas dietas (...) particularmente com uma dieta pobre em carboidratos".

 

A declaração provocou a ira de vários outros pesquisadores. Primeiro porque Krystal não cita nenhuma evidência científica de qualidade, a não ser os seus próprios estudos com camundongos. Não há provas de que isso possa ser traduzido para humanos.

 

No mesmo texto, Krystal recomenda o consumo de alimentos que reduziriam o risco de câncer, incluindo fibra solúvel (“alimenta as boas bactérias do seu cólon, que produzem moléculas anti-inflamatórias para mantê-lo saudável”; bananas verdes (“não coma bananas maduras; prefira as verdes, que têm mais propriedades anti-inflamatórias); azeite, suco de limão ou vinagre ("eles baixam seu índice glicêmico em 30%"). Banana verde????

 

Por coincidência, enquanto pesquisava para escrever esta coluna, recebi uma sugestão de pauta sobre um workshop culinário em que um oncologista e uma nutricionista ensinariam pacientes sobre alimentos que "previnem o câncer." Sim, era essa a promessa. Feita por um oncologista e uma nutricionista.

 

Nada contra orientações que ajudem as pessoas a se alimentarem melhor, comendo comida de verdade e evitando consumo de alimentos processados, embutidos, enlatados com corantes e de conservantes. Ou que as que tratam da importância de evitar o sedentarismo, a obesidade, o tabagismo, as bebidas alcoólicas entre outros. Isso tudo é muito bem-vindo e vale para o câncer e para dezenas de outros males.

 

Porém, todo cuidado é pouco quando a conversa é eleger, sem nenhum embasamento científico de qualidade,  alimentos como "mocinhos" ou "bandidos" na prevenção de uma doença tão complexa como o câncer.

 

Cláudia Collucci - Jornalista especializada em saúde, autora de “Quero ser mãe” e “Por que a gravidez não vem?”.



Fonte: Folha de S. Paulo | Portal da Enfermagem

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado, seja o primeiro. Participe!