São Paulo, 21 de outubro de 2019
Home / Colunistas / 5 de outubro é o Dia Mundial da Pessoa com Estomia

Estomaterapia | Maria Angela Boccara de Paula

Profa. Dra Maria Angela Boccara de Paula - TiSobest Presidente da Associação Brasileira de Estomaterapia - Sobest Editora da Revista Estima Professor Doutor do Departamento de Enfermagem e Nutrição Coordenador Adjunto do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Humano Universidade de Taubaté - Email: vicepresidencia@sobest.com.br

+ postagens

5 de outubro é o Dia Mundial da Pessoa com Estomia

Bem-estar depende de equipamentos de qualidade e suporte profissional

Cerca de 400 mil brasileiros possuem estomias, aberturas que funcionam como comunicação de um órgão ao meio externo. Essa condição ganhou destaque após as cirurgias pelas quais o presidente Jair Bolsonaro foi submetido, quando precisou usar, durante alguns meses, a bolsa de colostomia. Mas são diversas as situações que levam à realização deste procedimento: como casos de câncer, traumas abdominais, doenças inflamatórias intestinais, entre outras. A colostomia, realizada no intestino grosso, corresponde a 60% dos casos.

É importante ressaltar que o uso de uma bolsa externa ligada ao intestino exige cuidados especiais, com o acompanhamento de uma equipe multiprofissional, com enfermeiros estomaterapeutas, nutricionistas, psicólogos, médicos especializados e apoio da família.

Estar com uma estomia intestinal, seja ela definitiva ou temporária, demanda cuidados para que a pessoa possa retornar às atividades da vida diária. Por isso, 5 de outubro, Dia Mundial da Pessoa com Estomia, é a data escolhida para que todos os pacientes sejam lembrados da importância do cuidado especializado. Assim, é fundamental que receba orientações de profissionais especializados, sempre que possível de um enfermeiro estomaterapeuta, para que assim esteja apta a realizar o autocuidado.

É importante que essas orientações sejam realizadas de forma gradativa, à medida que a pessoa se reestabeleça do ato cirúrgico, que muitas vezes pode ter complicações, como infecções no local da cirurgia, surgimento de deiscências e fístulas. Essas complicações são mais frequentes quando o procedimento cirúrgico é de urgência e não há o preparo pré-operatório, o que pode retardar o processo de cicatrização e a recuperação da pessoa.

Cabe dizer que o reestabelecimento da rotina diária depende também da correta indicação do equipamento coletor, que deve permitir a coleta do efluente (fezes) sem escapes, de modo que garanta segurança da pessoa e evite complicações como as dermatites periestomia. O tipo de equipamento a ser indicado depende de alguns fatores como: tipo de estomia confeccionada, localização da estomia no abdômen, condições da pele periestomia, presença de processos alérgicos e habilidades manuais da pessoa, por exemplo. A avaliação destas condições e outras como aspectos emocionais, profissão, tipo de roupas que a pessoa costuma usar e rotina diária são essenciais para a boa indicação do equipamento coletor e ensino do autocuidado.

Aprender o autocuidado é essencial e é o objetivo principal do cuidado a pessoa com estomia. O enfermeiro estomaterapeuta é o profissional especialista apto a realizar este cuidado com excelência.

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado, seja o primeiro. Participe!