São Paulo, 24 de novembro de 2017
Home / Notícias / Pesquisa identifica mecanismo no cérebro capaz de inibir pensamentos indesejado

Notícias

Pesquisa identifica mecanismo no cérebro capaz de inibir pensamentos indesejado

6/11/2017

Neurônios

Pesquisa publicada na "Nature Communications" nesta sexta-feira (3) demonstra que o cérebro precisa produzir uma substância específica em região relacionada à memória para que pensamentos indesejados fiquem sob controle. O achado é particularmente importante porque medicamentos que mimetizam a substância podem ser desenvolvidos para tratar transtornos diversos, como os de ansiedade.

 

A substância encontrada trata-se de um neurotransmissor. Neurotransmissores são substâncias que fazem a comunicação entre neurônios, já que eles não se tocam. No caso da pesquisa, cientistas identificaram que o GABA (ácido gama-aminobutírico, na sigla em inglês), precisa estar em altas concentrações para que pensamentos do passado fiquem sob controle. O GABA é um dos principais neurotransmissores inibitórios do cérebro: ele tem por função inibir a atividade de algumas células do órgão.

 

Isso pode ajudar a explicar distúrbios de ansiedade e condições mais gaves, como a esquizofrenia, dizem pequisadores. Essas condições frequentemente têm como sintoma uma avalanche de pensamentos "intrusos" que podem ter em sua raiz disfunções na produção dessa substância: a invasão de pensamentos negativos, quando não estamos solicitando a memória voluntariamente, é um dos principais gatilhos para transtornos de ansiedade.


 

"Nossa capacidade de controlar nossos pensamentos é fundamental para o nosso bem-estar", explica Michael Anderson, autor do estudo e pesquisador na Universidade de Cambridge (Reino Unido), em nota.

 

"Quando essa capacidade se rompe, ela causa alguns dos sintomas mais debilitantes de doenças psiquiátricas: memórias intrusas, alucinações, ruminações e preocupações patológicas e persistentes", diz.

 

Como os pesquisadores chegaram à substância


 

Em um primeiro momento da pesquisa, participantes voluntários saudáveis foram convidados a decorar uma sequência de palavras sem nenhuma conexão prévia aparente (como, por exemplo, calvície-barata-norte). Depois, em um segundo momento, eles foram convidados a "lembrar" ou a "suprimir" a palavra a depender da cor apresentada: se a cor for verde, a palavra é lembrada; se for vermelha, a palavra é suprimida.

 

Ao mesmo tempo, pesquisadores utlizaram o auxílio de imagens de ressonância magnética para observar o que estava acontecendo no cérebro no momento em que as palavras eram lembradas ou suprimidas. Uma outra técnica utilizada foi a espectroscopia de ressonância, que permite não só obter as imagens, mas também o fluxo de substâncias químicas que ocorre durante o processo de pensamento -- ou, no caso do experimento -- de pensar/não-pensar.

 

A partir dessas técnicas, então, os pesquisadores chegaram à conclusão de que o GABA estava presente em altas concentrações dentro do hipocampo (região do cérebro associada à memória) quando a palavra era suprimida. E, que, por isso, esse neurotransmissor pode evitar que pensamentos sejam acionados contra a vontade.

 

O achado se soma a descobertas anteriores que mostravam o papel do córtex pré-frontal na supressão de pensamentos. Cientistas acreditam agora, que a combinação de ambas as funções é necessária para que os pensamentos sejam controlados -- e, na esteira, também uma série de doenças associadas a essa condição.



Fonte: Bem Estar | Portal da Enfermagem

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado, seja o primeiro. Participe!