São Paulo, 28 de April de 2017
Home / Gestão e Assistência / Dicas do Especialista

Dicas do Especialista

Se o homem é fruto direto do meio em que vive e seu comportamento está diretamente relacionado ao que ocorre em sua volta, diante da realidade deste século, tão rápida e exaustiva, é muito difícil um indivíduo não desenvolver reações adversas ao curso normal da vida. Porém, muitas vezes, essas reações do organismo vão além da anormalidade, desgastam corpo e mente e causam uma doença que atinge cerca de 40% da população brasileira: o estresse.

O termo estresse foi publicado pela primeira vez em 1936, na revista ‘Nature’, pelo médico Hans Selye. Antigamente, estresse era muito confundido com ‘ataque de nervos’, mas hoje ele é diagnosticado como doença e tratado clinicamente.

O estresse é causado por uma reação do organismo a eventos externos ou internos. Os externos são aqueles que envolvem o ambiente em que a pessoa está inserida, seja ele pessoal ou profissional. Já o interno está relacionado ao modo como a pessoa vê e interpreta as situações da sua vida.

Esta doença afeta o organismo da pessoa de diversas maneiras e cada indivíduo pode desenvolvê-la em situações diferentes e muito particulares. Não somente situações negativas levam ao estado de estresse, as positivas e benéficas também. Mas cada pessoa reage de uma maneira frente ao novo, ao inusitado ou mesmo a uma sequência de fatos e desafios.

As situações estressantes estão presentes no mundo moderno e fazem parte da rotina de todo indivíduo. “Todos os dias estamos expostos a estímulos impostos pela organização social. O ritmo de vida acelerado, desemprego, violência, poluição, cobranças, competições cada dia mais acirradas, principalmente no ambiente profissional, são alguns dos exemplos”, esclarece a psicóloga clínica Rosane Uchikawa, que atende diariamente profissionais com quadro de estresse na Clínica Plenus Psi - Espaço de Desenvolvimento Pessoal, em Maringá, no Paraná.

O Portal da Enfermagem a convidou para tratar deste tema, tão comum na vida dos profissionais de enfermagem, e transmitir dicas importantes para que o profissional não fique á mercê desta doença, afinal segundo o cientista Charles Dawin, “espécies em evolução somente sobrevivem se estiverem adaptadas ao meio onde vivem”. E já que o mundo é real, é preciso conviver com os fatores estressantes da maneira mais saudável possível.

O que é estresse
O estresse faz parte da nossa vida e é necessário para a manutenção da nossa capacidade de autoproteção e conhecimento dos nossos limites. É fator essencial da vida para nosso crescimento e desenvolvimento, no sentido de nos auxiliar na adaptação e ajuste das pressões internas e externas.  O estresse ocorre quando há uma desproporção prolongada entre o grau de tensão a que estamos expostos e nossa capacidade de suportá-lo, culminando num desgaste anormal do organismo, podendo causar danos severos à saúde e até a morte.       

Origem do estresse
As causas do estresse são multifatoriais: ele pode ser gerado por conflitos familiares, relacionamentos amorosos, insegurança financeira, doenças, luto, ambiente profissional, entre outros.  Todos estes fatores podem ativar sérios conflitos emocionais e, na ausência de recursos internos para administrá-los, ficamos submetidos à situação estressora, o que causará alterações orgânicas como, por exemplo, o estímulo de glândulas secretoras de hormônios, que podem induzir uma intoxicação orgânica, causando danos a nossa saúde, tanto física quanto psíquica.

 Tipos de estresse
• Eustresse (estresse positivo): quando o esforço de adaptação gera sensação de realização pessoal, bem-estar e satisfação das necessidades do indivíduo.

• Distresse (estresse negativo): quando a incapacidade para superar a vivência de experiências estressantes desgasta o indivíduo, levando a uma ruptura do bem-estar individual.

 Reações no organismo
O estresse causa reações orgânicas que vão desde os sintomas físicos, como dores de cabeça e musculares, indigestão, insônia, taquicardia, alergias, queda de cabelo, alteração de apetite, gastrite, esgotamento nervoso, entre outros, até os sintomas cognitivos e psicológicos, como desmotivação, introspecção, isolamento, ansiedade, irritabilidade, apatia, memória fraca, tiques nervosos, autoritarismo e outros.

 Importância da psicoterapia para administração do estresse
Nossa constituição emocional é determinada, em grande parte, pelas experiências vivenciadas desde a primeira infância. Desta forma, cada um de nós reage de acordo com sua percepção às situações de tensão em que está exposto. Os estímulos agressores do estresse nos atingem de acordo com a nossa prévia avaliação subjetiva. Sendo assim, a Psicoterapia nos proporciona, através das intervenções do psicólogo, a análise e a compreensão de nossos comportamentos e, desta forma, o domínio de nossas emoções frente às situações que nos provocam desequilíbrio e perturbação. A Psicoterapia então, nos ajudará no controle de nossas emoções, o que é a chave para o bem estar psíquico.    

 Quem está propenso ao estresse
• Indivíduos que assumem responsabilidades bem acima de seus limites: técnicos, físicos, psicológicos, de tempo, financeiros e outros;

• Pessoas inseguras; emocionalmente instáveis;

• Aqueles com dificuldades de administrar conflitos e resistentes a mudanças;

• Pessoas impulsivas; agitadas; impacientes e ansiosas.

 Como administrar o estresse
• Cuide de sua alimentação: ela deve ser rica em frutas, verduras e legumes já que diante de um quadro de estresse é comum o organismo perder vitaminas e nutrientes.

• Evite cigarro e álcool em excesso.

• Pratique atividades físicas, pois isso favorece as funções cardiovasculares e respiratórias e produzem substâncias, como a endorfina, que auxiliam no relaxamento e para a sensação de bem-estar.

• Beba bastante água.

• Durma cerca de 8 horas por dia. Ao deitar desligue a TV e, se possível, coloque uma música suave.

• Procure acordar 10 minutos mais cedo para alongar o corpo e espreguiçar.

• Mantenha uma regularidade nos exercícios, pelo menos 30 minutos por dia, eles são essenciais ao seu bem-estar.

• Respeite seus limites e não tente abraçar o mundo.

• Crie um ambiente calmo onde possa relaxar e meditar, seja no trabalho ou na sua casa.

• Entre em contato com a natureza, tenha um lazer.

• Mantenha sempre uma postura ereta, pois ela favorece o processo respiratório e a descontração da musculatura.

• Faça alongamentos sempre que possível. Alguns minutos contribuem para um excelente relaxamento muscular.

• Cuide de sua vida social.

• Discuta seus problemas.

• Tire férias.

• Ouça mais e fale menos.

• Faça pausas durante as atividades diárias para recompor as energias.

• Planeje o seu dia.

• Defina prioridades.

• Saiba dizer não.

• Aprenda a relaxar.

• Sorria sempre – dar risadas eleva a produção de endorfina e isso produz prazer e satisfação.

• Conheça-se mais e melhor.

• Mude de rotina.

 Como tornar o ambiente de trabalho menos estressor
• Planeje o seu dia, faça uma lista das prioridades e execute uma tarefa de cada vez.

• Abra sua mente, procure melhores maneiras de fazer as coisas, evitando rotinas estereotipadas.

• Cultive uma rede de apoio, partilhe suas dificuldades.

• Saiba ouvir e peça feedbacks, respeitando o que o outro tem para falar.

• Valorize o que você faz e o que os outros fazem bem.

• Comunique-se com clareza, sensibilidade e harmonia.

• Delegue, compartilhe e auxilie, trabalhe em equipe e forme equipes.

• Conserve as velhas amizades e faça novos amigos.

 

É possível relaxar em menos de 5 minutos

 

É possível relaxar a mente em apenas cinco minutos, segundo a psicóloga Rosane, principalmente se a pessoa estiver conectada a uma música tranqüila.

 

Para isso, ela dá uma dica ao internauta do Portal da Enfermagem: www.durmamelhor.com/2010/03/durma-melhor-lanca-video-para.html#ixzz1063wLbPW  

Neste site é possível baixar músicas relaxantes gratuitamente

 
Clique aqui e faça o Teste do Estresse

 

Pesquisa da Grã-Bretanha concluiu que o estresse acarreta aumento de ausências no trabalho. Enfermagem é uma das profissões que mais sofre com isso.

Uma pesquisa publicada na Grã-Bretanha, em 2001, mostra que o estresse está levando os funcionários de empresas a faltarem cada vez mais ao trabalho.

Segundo a pesquisa, realizada pelo Health and Safety Executive - HSE, órgão do governo que cuida dos padrões de saúde e segurança no trabalho, quase 500 mil pessoas sofrem ou depressão ligados à atividade profissional na Grã-Bretanha e que quase 150 mil pessoas ficaram afastadas do trabalho por pelo menos um mês por doenças provocadas pelo excesso de tensão. O total de dias de ausência dos trabalhadores britânicos por problemas de estresse chega a 6,5 milhões por ano.

O estresse é mais intenso entre pessoas na faixa etária de 35 a 44 anos. O problema aumenta ainda mais entre pessoas que permanecem no mesmo emprego por muito tempo. Os mais estressados estão nas profissões de enfermagem e no magistério

O professor Cary Cooper, da Universidade de Manchester, no noroeste da Inglaterra, concluiu que alguns dos motivos que colaboram para o aumento dos níveis de estresse nos trabalhadores referem-se à insegurança no emprego e à jornada de trabalho mais longa. Para que isso seja neutralizado, segundo o professor Cooper, o correto seria que os gerentes de empresas "elogiassem e recompensassem" seus funcionários ao invés de puni-los.  

 

 




Fonte: Portal da Enfermagem


Comentários   Clique aqui para enviar seu comentário.


Nenhum comentário enviado.


Voltar Comente está notícia