São Paulo, 17 de August de 2017
Home / Colunistas / Limpeza, desinfecção ou esterilização: o que fazer?

Infecção Hospitalar | Carmen Salles

Enfermeira, mestre em ciências da saúde, com 18 anos na área de controle de infecção hospitalar, atuou na assessoria da Câmara Técnica do Coren-SP auxiliando em pareceres e em projetos como no de Segurança do Paciente e no Prêmio Gestão com Qualidade - dimensão hospitalar. Realiza consultoria na elaboração e implantação de plano de gerenciamento de resíduos de serviço de saúde. Escreveu capítulos de livros na área de segurança do paciente e gestão hospitalar. - Email: carmenligia@uol.com.br

+ postagens

Limpeza, desinfecção ou esterilização: o que fazer?

Sem dúvida alguma, todo processamento de artigos nas unidades de saúde é um procedimento altamente complexo que tem como seu principal objetivo evitar eventos adversos oriundos de sua utilização.

Além disso, há uma crescente preocupação com eventos adversos relacionados aos resíduos de material imunológico de um paciente para outro, por meio destes artigos reprocessados ou reações decorrentes de resíduos de produtos utilizados durante a limpeza do artigo.

Sendo assim, é imprescindível que o profissional responsável pelo processamento de artigos seja capacitado e tenha conhecimento profundo sobre crescimento microbiano, curva de crescimento, morte microbiana, esporos bacterianos, endotoxinas, carga microbiana (bioburden), biofilmes, resistência microbiológica, príons, entre tantos outros itens, além de características como: responsabilidade, iniciativa, equilíbrio emocional, trabalho em equipe, capacidade organização, que são exigidas rotineiramente nesta atividade de extrema importância em uma unidade de saúde.

Limpeza, desinfecção e esterilização:

Limpeza: remoção de sujidade de um artigo. É de suma importância na redução da carga microbiana de um artigo, favorecendo a eficácia do processo. É a remoção de sujidade visível aderida nas superfícies, nas fendas, nas serrilhas, nas articulações e lúmens de instrumentos, dispositivos e equipamentos, por meio de um processo manual, realizando fricção com escovas apropriadas e por meio de enxágue utilizando água sob pressão. Ou de forma mecânica utilizando detergente e água em lavadoras com ou sem ultrassom. Em ambos são utilizados detergentes ou produtos enzimáticos.

Alguns fatores interferem na efetividade da limpeza, como a qualidade da água, tipo e qualidade dos agentes e acessórios de limpeza, manuseio e preparação dos materiais para a limpeza, método manual ou mecânico usado. Além do tempo-temperatura dos equipamentos de limpeza mecânica, posicionamento do material e a configuração da carga das máquinas.

No final de qualquer processo é recomendado uma observação criteriosa do processo de limpeza para garantir que o protocolo foi seguido completamente; realizar validação; e aplicar metodologias de verificação que garantam a limpeza.

Importante lembrar: os resíduos orgânicos tais como sangue, soro, lípides, fragmentos de tecido e sais inorgânicos, se não forem retirados adequadamente durante o processo de limpeza, podem impedir a desinfecção e a esterilização, uma vez que limitarão a difusão dos agentes esterilizantes ou inativarão a ação dos desinfetantes.

Desinfecção: é o processo aplicado a um artigo ou superfície que visa a eliminação de microrganismos, exceto esporos, das superfícies fixas de equipamentos e mobílias utilizadas em assistência à saúde. A desinfecção é indicada para artigos semicríticos que entram em contato com membranas mucosas ou pele não íntegra. Sendo os mais comuns: acessórios para assistência respiratória, diversos endoscópios, espéculos, lâminas para laringoscopia, entre outros.

Os métodos de desinfecção podem ser físicos, por ação térmica, ou químicos, pelo uso de desinfetantes. Os físicos são os equipamentos de pasteurização como desinfetadoras e lavadoras de descarga. Os desinfetantes mais utilizados são a base de aldeídos, ácido peracético, soluções cloradas e álcool. Podem, também, ser utilizados produtos à base de quaternário de amônia e peróxido de hidrogênio.

Esterilização: é o processo que utiliza agentes químicos ou físicos para destruir todas as formas de vida microbiana, sendo aplicada especificamente a objetos inanimados. O processo de esterilização de artigos hospitalares que oferece maior segurança é o vapor saturado sob pressão, realizado em autoclave. Este processo tem como parâmetros: o vapor, a pressão, a temperatura e o tempo.

Há, porém, no mercado, uma gama de artigos utilizados no cuidado à saúde que são produzidos com materiais complexos e que não suportam a termo desinfecção ou a umidade do vapor, exigindo uma esterilização com métodos de baixa temperatura como: óxido de etileno (ETO), plasma, ozônio, radiação gama entre outros. A seguir, o fluxo de processamento de artigos médicos cirúrgicos:



Lembramos que os métodos de esterilização à baixa temperatura normalmente não estão disponíveis nos serviços de saúde. Entre os agentes químicos esterilizantes, ressaltamos o glutaraldeído e o ácido peracético:

Glutaraldeído: é um dialdeído saturado que reúne muitas vantagens como desinfetante de alto nível e esterilizante, devido ao seu amplo espectro de ação, bem como a estabilidade e a compatibilidade com as mais diversas matérias primas dos materiais e equipamentos médico-hospitalares, pois não é corrosivo a metal e não danifica equipamentos ópticos, borracha ou plástico. Utiliza-se o glutaraldeído a 2% como agente químico desinfetante de alto nível ou esterilizante.

Sua utilização foi condenada por força de lei pela Resolução da Diretoria    Colegiada da ANVISA nº 8 de 2009. Sua toxicidade também foi   questionada em 2004 pela Associação Americana de Enfermeiros de     Centro Cirúrgico –AORN, que recomendou três enxágues assépticos com revezamento, para cada material por ele processado. A Secretaria   de Saúde do Estado de São Paulo publicou a resolução SS nº 27 em   2007 referente as medidas de controle sobre o uso do glutaraldeído,      com foco na segurança ocupacional.


Ácido peracético: tem uma rápida ação microbicida e age pela    desnaturação das proteínas, ruptura da parede celular e oxidação de proteínas, enzimas e outros metabólicos. É essencial que o usuário conheça as vantagens e as desvantagens de cada formulação para, junto com a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH, façam a melhor escolha baseada no custo-efetividade, uma vez que há no    mercado diferentes formulações.

Independentemente do método a ser utilizado, o monitoramento e validação de cada processo é imprescindível para um melhor controle e segurança.

Outra preocupação que deve haver nos estabelecimentos de saúde é sobre a reutilização de artigos de uso único que, embora venham de fábrica contendo a identificação de “uso único”, ainda são reutilizados. O reuso destes artigos envolve questões legais, médicas, éticas e econômicas, sendo amplamente discutido. As normas brasileiras que regulam o reuso de artigos são a Resolução da Diretoria Colegiada nº 156, a Resolução 2605 e a Resolução 2606, publicadas em 2006, que obrigam a instituição de saúde a realizar, por meio de um instrumento normativo interno do estabelecimento, todo e qualquer processo de reuso dos artigos a ser realizado e dispõe sobre as diretrizes para elaboração, validação e implantação de protocolos de reprocessamento de produtos médicos e dá outras providências.

Fica evidente que a temática apresentada hoje merece atualizações e profissionais dispostos a realizar as melhores práticas em suas instituições, visando sempre a qualidade e segurança do paciente.

Pedimos a gentileza de citar a referência:
Salles C.L. Limpeza, desinfecção ou esterilização: o que fazer? [Internet] 2015 [citado 2015 Agosto 25].Disponível em http://www.portaldaenfermagem.com.br

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Por: Maria Madalena lisboa sacoman

  1. Comentado em:

    Sou tecnica de enfermagem e trabalhei mitos anos no SCIH,hoje sou aposentada e mudei de area estou atuando no serviço de higiene e limpeza hospitalar.Sua matéria esta muito boa,mas gostaria de atualizações a respeito de limpeza de superfícies em sala cirúrgicas. Se for possível ficaria muito grata.

Por: Ideir Pereira de Oliveira Valo

  1. Comentado em:

    Parabéns pelo seu artigo, me foi de muita utilidade.

Por: Adriana da Silva Batista

  1. Comentado em:

    Apartir de quantos graus na autoclave o material pode se dizer que está esterilizada E quantos minutos?

Por: Ewerton

  1. Comentado em:

    Meus parabéns texto muito estruturado, espero ler em breve algum sobre medidas eficazes de combate e prevenção das infecções hospitalares. Forte abraço para todos.

Por: Maria Irene bachega

  1. Comentado em:

    Ótimo artigo.

Por: Fabiano Silva

  1. Comentado em:

    Ótimo artigo. Parabéns!!!!